Páginas

domingo, 13 de março de 2016

5 obras de arte imperdíveis em Florença



Florença, capital da Toscana (Itália), é uma cidade maravilhosa, incrível! O visitante respira arte e cultura naquele lugar. Quando eu cheguei em Florença, lembro que meu primeiro pensamento foi: "eu poderia morar aqui".

Dá uma passada aqui para ler curiosidades, impressões e saber o que fazer na cidade. Na matéria de hoje vou falar sobre as principais obras de arte que se encontram na cidade, que representa 40% do acervo artístico da Itália (e todos que amam arte vão saber que possuir 40% do acervo artístico da Itália significa MUITA coisa).

1) Davi de Michelangelo

O Davi de Michelangelo (obra datada de 1501) é o meu queridinho. Eu estudei em uma escola que possuía aulas de Artes rigorosas, e quando eu estava no 1º ano do Ensino Médio fiz um trabalho sobre as diversas representações do Davi por alguns artistas. Obviamente o Davi de Michelangelo estava no meu trabalho, e essa é uma obra que sempre me instigou muito. Lembro que ao virar o corredor do museu, dei de cara com a obra. Ela estava lá no final do outro corredor, mas é tão grandiosa que chama a atenção do início da galeria. Eu fiquei toda arrepiada e chorei. Porque na minha frente estava aquela escultura que eu tinha tanta vontade de conhecer. Chegando mais perto eu pude perceber a delicadeza dos traços de quem a esculpiu. Cada detalhe foi milimetricamente bem produzido. Desde as veias das mãos, os belíssimos músculos e a expressão do corpo inteiro. É inacreditável.

O Davi de Michelangelo original se encontra na Galleria dell'Academia. Há também uma réplica na Piazza della Signoria, onde há réplicas de outras obras também muito famosas.

Davi de Michelangelo (Imagem: http://www.econ.ohio-state.edu/)

2) O nascimento de Vênus, Botticelli

Essa é outra que eu adoro! Essa obra, do pintor italiano Botticelli datada por volta de 1486. A pintura mostra Vênus surgindo nua de uma concha sobre as espumas do mar e Zéfiro, o vento do Oeste, assoprando na direção da deusa, acompanhado pela  ninfa Clóris.  À direita de Vênus há uma Hora (deusas das estações), que lhe entrega um manto com flores bordadas.
Acredita-se que a nudez da deusa não representa a paixão carnal, mas sim a paixão espiritual. Além disso, Botticelli utiliza cores claras e puras, exaltando a pureza da alma e a beleza clássica.

A obra está exposta na Galeria Uffizi.

O Nascimento de Vênus (Imagem:  http://www.infoescola.com/)

3) Baco, Michelangelo

Outra de Michelangelo, a estátua de Baco data de 1496 e 1497. Michelangelo representa Baco (Dionísio, na mitologia grega), o deus do vinho, em plena embriaguez, cambaleando. Ao seu lado, um sátiro (fauno), outro personagem da mitologia greco-romana, metade homem e metade bode. Na verdade, o grande escultor representa o demônio que entorpece e seduz Baco a ficar bêbado. A figura do sátiro dá sustentação ao deus; este carrega em sua mão esquerda uma pele de leão e um cacho de uvas onde o sátiro se alimenta, e, na mão direita, um cálice com vinho.

Essa estátua se encontra no Museo Nazionale del Bargello.

Baco (Imagem: O Globo)

4) A Anunciação, Leonardo Da Vinci

A Anunciação é um quadro pintado por Leonardo Da Vinci entre 1472 e 1475. A pintura retrata o momento em que o Anjo Gabriel anunciou para a Virgem Maria a vinda de Jesus Cristo. Da Vinci utilizou os seus estudos sobre as asas dos pássaros, pintando as asas do anjo com uma precisão impecável.
Aqui, Virgem Maria não é retratada de forma submissa, e sim de maneira a entender o papel da humanidade na vida de Jesus Cristo. O anjo ainda segura uma flor em sua mão, símbolo da virgindade e pureza de Maria.

A obra está exposta na Galleria Uffizi.

Anunciação (Imagem: Universia)

5) Medusa, Caravaggio

Medusa é uma das obras do pintor Caravaggio. A imagem é da cabeça de Medusa vertendo sangue abundantemente, logo após ter sido decepada por Perseu, segundo reza o mito grego.
O retrato de Medusa era muito usado nas armaduras e nos escudos dos guerreiros dos séculos 16 e 17, pois na mitologia grega é tida como a deusa da estratégia e da guerra justa e, também, da sabedoria.
Embora o retrato da Górgona seja de origem clássica, Caravaggio recria uma nova Medusa, extremamente realista, cuja força de expressão continua impressionando quem a observa, pois sua cabeça decepada parece ganhar vida própria, com suas serpentes contorcionistas.
O que mais chama a atenção na obra Cabeça da Medusa é seu realismo: os olhos saltando da órbita, os dentes cortantes à mostra, a boca aberta e imóvel, soltando um grito silencioso e o sangue vivo jorrando de sua cabeça, não deixando qualquer dúvida sobre o mito da mulher de cabeleira de serpentes, que transformava homens em pedra, só pelo olhar, mas que foi derrotada por Perseu, ao mirar o escudo espelhado e ser vítima de sua própria arma letal.  A dramaticidade encontrada nas obras de Caravaggio dá-se pelo uso da técnica do chiaroscuro, em que o pintor trabalha com os contrastes de luzes e sombras, gerando um resultado bastante peculiar.

A obra se encontra na Galleria Uffizi.

Medusa, de Caravaggio (Imagem: IstoÉ)

E aí, gostaram? Acham que faltou alguma obra nessa lista? Me contem!

Quer saber mais sobre Florença? Clica aqui que eu contei tudo!

Beijo, beijo,

Nicole Werneck.

Corre para seguir o blog nas redes sociais:

Instagram: @nicolewerneckf
←  Anterior Proxima  → Página inicial

Um comentário: