Páginas

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Intercâmbio? Eu? SIM



Oi gente, de novo o texto não é meu. É de uma amiga que conheci em Bragancinha city(Portugal) e que assim como eu ficou apaixonada pelo lugar. Eu realmente acho que todos que passam por Bragança ficam apaixonados e viram poetas. A Julia tem uma visão bem bacana do intercâmbio dela. Obrigada Julia por dividir conosco seu depoimento. Você se expressa bem menina!!!!! O Wellinton também deixou a opinião dele sobre intercâmbio aqui e o meu texto sobre a despedida de Bragança está aqui. Se você se interessa por intercâmbio, não deixe de ler depoimentos de pessoas que realizaram um e compartilharam suas opiniões!!!
"Intercâmbio? Eu? SIM

Algumas pessoas sonham com a oportunidade de fazer um intercâmbio, seja na época de escola, de faculdade ou pra aprender uma nova língua em poucos meses. Eu, sinceramente, sempre tive medo dessa experiência e achava todas as pessoas que faziam intercâmbio extremamente corajosas. Eu me sentia apegada demais pra me colocar nessa situação de perder o conforto de casa e me abster, mesmo que temporariamente, da presença da minha família e amigos em um país diferente do meu. Mas, por impulso e incentivo de uma amiga resolvi me inscrever em um programa de mobilidade da faculdade. Eu não tinha pretensão alguma em ser aprovada, nem sabia com quem estava concorrendo e qual era o melhor instituto para me inscrever. O que eu tinha era um frio na barriga, porque a partir do momento que eu fosse aprovada eu tinha certeza que minha família iria me apoiar com toda convicção e eu teria que criar coragem para ir. Ok, fomos aprovados (eu, minha amiga Renata, Carinão e Nelson na mesma barca), Bragança é a próxima parada (não é Bragança Paulista, acredite). E agora? Essa cidadezinha é interessante? O que tem lá pra fazer? Quem iremos encontrar? Tem mais brasileiros? O que tem pra comer? Eu vou me adaptar? Essas perguntas foram respondidas só com o tempo, porque tivemos que correr atrás de uma papelada chata pra poder entrar em Portugal. Depois da preparação chegou o grande dia: despertador mais cedo, malas prontas (sem saber se estava levando tudo o que eu iria precisar), despedidas e aquela adrenalina! É verdade: estou me mudando por seis meses... Em Guarulhos nunca vou me esquecer da Renatinha falando: "Você ta animada? Vamos ficar animadas?" e eu só conseguia rir (de desespero, hahaha) e ficar olhando pra todas as pessoas que também esperavam voos. Com uma chegada toda atrapalhada já começava o choque de cultura. Nosso começo foi falando: "que que eu to fazendo aqui?". Isso seria normal, mas só estando lá pra saber certas coisas. Aí você pode pensar: "ai, que drama... lá eles falam Português, quem faz intercâmbio lá?". Te respondo: muita gente! E não é porque falamos a mesma língua -ainda que com muitas diferenças - que a experiência não seja inovadora também. Fomos nos adaptando com o tempo, claro, e ele foi passando... É, o TEMPO: ele vai mudando as coisas devagar. Os sentimentos são transformados, as oportunidades são outras, experiências inesperadas, viagens que você nunca imaginou que fosse fazer com essa idade se realizam e você fica bobo de ver a sua capacidade de se adaptar, de se comunicar e se virar em situações inusitadas. E aí a gente começa a se classificar como "intercambista" mesmo! Vive economizando, tem aquela vida mais leve com mais liberdade, sua família são seus amigos (e quem mora com você) e a saudade anda junto... Enfim, você é uma nova pessoa. Não que você mude sua essência, caráter e personalidade, mas suas ideias são renovadas e você começa a valorizar coisas que antes não ligava tanto. Além dos lugares incríveis que você tem a oportunidade de ir e da cultura que é apresentada como novidade, dou muito valor às pessoas que podemos conhecer, sejam do seu país de origem ou do país que está visitando, até porque os brasileiros estão em todos os lugares! Sem brincadeira! Quantas vezes não cheguei no quarto do hostel que estava hospedada e comecei a falar mal de alguma coisa e de repente escutava outras pessoas falando português e não pensava: "puts, já vão me achar uma chata" ou "aff, estavam ouvindo tudo todo esse tempo" ou "mais gente querendo saber se estou fazendo intercâmbio e da onde eu sou" (porque essa conversa é fato que vai existir) . As pessoas são surpreendentes... Tenho só que agradecer por cada conversa, foto, risada, companhia, caminhadas no frio e na chuva, vinhos e xarabanadas com tremosso, hahaha Porém, depois de passar pelas fases de adaptação, estudos, curtição, pela vontade de desacelerar o tempo, de assinar as bandeiras desejando coisas boas e deixando um pedacinho seu de recordação para seus amigos chega a hora de voltar pra casa e pra rotina. Pensando bem, eu aguentaria ficar lá por mais tempo fácil! Mas, você tem que deixar o que construiu, as pessoas que conheceu e dar tchau pra sua vida de autonomia total. Confesso que a minha fase de regresso foi um pouco depressiva e muito saudosa, sinal de que realmente valeu a pena. Mas eu não vou deixar nenhum detalhe escapar porque meu diário de bordo está cheio de memórias detalhadas de cada dia de viagem. Acho que todo mundo me via escrevendo e pensava: "que louca, que tanto ela escreve? essa cidade é muito parada, parece que é domingo todo dia"... Ah, meu filho, até os dias sem graça (de só ir ao mercado de mochila nas costas) estão datados no caderninho. E mais: defendo minha cidade! Nada de falar mal de Bragancinha, pois eu aposto que ela está no coração de todos que passaram por lá como eu! Tenho muita vontade de levar mais pais lá... Enfim, acho digno ter um encontro para lermos isso! ahahahah Meu recado final é que recomendo intercâmbio para todos que tiverem essa oportunidade, sem dúvida. VÁ SEM MEDO! Você precisa disso, desse momento só seu! Não consigo falar que foram os melhores meses da minha vida porque ainda não sei o que Deus está preparando pra mim e porque minha cachorra morreu no meio do caminho (Bambina, minha nega!), mas definitivamente estão no topo da lista!
Chegar em casa e ouvir seu Pai te dizer que não teria a coragem de fazer o que você fez foi bem forte, me senti realizada. Eu realmente me deixei surpreender. Também foi bom entrar em casa, ver os queridos que foram me buscar no aeroporto, sentir aquele cheiro do meu lençol, comer aquela comidinha caprichada de casa e ter o carinho especial que só a minha Mãe sabe me dar...
Ir é ótimo e voltar segue a mesma medida! O importante é saber aproveitar!
Obrigada Nicolssss! Saudade define! E como você mesma diz: #vaiserfeliz #bragancinharocks #repdobrocolo #turmadaxarabanada

Julia Biral."

Instagram: @nicolewerneckf
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário