Páginas

domingo, 19 de maio de 2013

Foi aí que eu vi o preconceito



Quando eu saí do Brasil já tinha escutado falar que no geral os europeus não tem uma visão muito boa do Brasil em alguns aspectos. Depois que vim morar na Europa e tive contato com as pessoas daqui , percebi que quando se fala do Brasil, eles pensam logo em sol, praia, Rio de Janeiro, carnaval, mulheres e futebol. Segundo os meus amigos europeus, o Rio de Janeiro é o destino dos sonhos da América.

Eu e os brasileiros que moram comigo somos amigos de vários portugueses. Um dia desses, uma das portuguesas nos chamou para jantar em um restaurante da cidade. Quando chegamos ao restaurante também estavam a mãe da portuguesa, uma prima, uma tia e mais duas amigas dela. Tudo muito agradável, comida boa e conversa tranquila. Foi aí que a prima da portuguesa falou que fazia Análises Clínicas e que estava terminando o curso, mas que gostaria de fazer estágio em outro país.
Nós, muito educados e receptivos, sugerimos que ela fosse para o Brasil. Aí ela respondeu que não tinha a menor vontade de ir ao Brasil por causa da violência (ok, até eu tenho medo de voltar pro Brasil por causa da violência, e imagina o quão assustador é para o pessoal daqui o índice de violência urbana no Brasil). Mas ela também não queria ir ao Brasil porque nas palavras dela, ela não sabia nem se o Brasil tinha hospital (ridícula). Isso já foi motivo pra começar a discussão. O sistema público de saúde no Brasil não é bom, mas falar que a gente não tem hospital foi sacanagem.

Ficamos realmente revoltados quando ela falou isso. E mais, a mãe da portuguesa falou que não gostaria que o filho dela se casasse com uma brasileira e nem que a filha dela se casasse com um negro. Bom, não gosto de discutir com gente que eu sei que não vai mudar de opinião. Eu não iria entrar em uma discussão que eu sei que não iria adiantar. É que todos nós, quer dizer a maioria, está condicionada a repetir e a pensar da maneira que fomos ensinados. E principalmente os mais antigos. Nós caminhamos para um mundo cada vez mais sem preconceito, é muito fácil de ver que os mais jovens tendem a ter menos preconceito que os mais antigos e por aí vai. O fato também é que o Brasil é um país que foi colonizado, e que o povo nativo sofreu abusos e foi explorado. Depois o Brasil era um país subdesenvolvido. Agora nós somos a quinta maior economia do mundo, mas também somos um dos países com maior desigualdade social. O olhar de repugnância é desde o início dos tempos.

Eu gosto de gente sem preconceito, que gosta de conhecer o diferente e que não tem medo do novo. Então não vou perder tempo com pessoas que repetem o que escutam. Com certeza a mãe dessa portuguesa não conhece bem brasileiros e os negros. Me sinto muito sortuda por ter nascido em um país que aceita tão bem o diferente. Me sinto sortuda por ter nascido em um país que aceita os negros, os estrangeiros, os gays e figuras polêmicas como Lola Benvenutti e Bruna Surfistinha.

P.S.: Esse fato foi realmente uma exceção. Eu sou super bem tratada aqui, talvez até mais que no Brasil…rs. Mas foi muito bom isso ter acontecido para eu ver que existe sim preconceito contra o povo brasileiro.

Nicole Werneck
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário